quinta-feira, 25 de junho de 2015

Werner Nehab - Um campeão presente para sempre - por José Roitberg

UM CAMPEÃO PRESENTE PARA SEMPRE

Descansou, enfim, o maior batalhador contra o antissemitismo que as comunidades judaicas já conheceram: faleceu, no Rio de Janeiro, Werner Nehab, baixinho, após bem vividos 101 anos. Talvez os mais jovens nunca tenham ouvido falar nele, mas os mais velhos vão se lembrar: "Ih, o Werner..."
Membro ativíssimo da B'nai B'rith, no Rio de Janeiro, era o encarregado de enfrentar os antissemitas, com a assinatura aberta nas seções de cartas dos jornais cariocas e, por vezes, de outras capitais. Com sua pena afiada, defendia com unhas e dentes os judeus e as instituições judaicas das agressões de nazistas e de comunistas (que vilipendiavam ontem os judeus brasileiros como o fazem hoje), com um aspecto muito relevante: ele era de uma época na qual não existiam nem palestinos e nem Palestina.
Werner conseguiu publicar dezenas e dezenas de cartas n’O Globo, no antigo Jornal do Brasil, e em outros grandes e já falecidos veículos da então capital federal. Um bom resumo dessa atividade pode ser encontrado no livro “Antissemitismo, Integralismo, Neonazismo, 50 anos de combate ao veneno subterrâneo”, publicado em 1988.
Werner Nehab nasceu na Alemanha, em 1914, em plena Grande Guerra e estudou música quando adolescente. Tinha 19 anos quando Hitler assumiu o poder e votou contra ele na eleição. Empregado de uma loja de departamentos pertencente a judeus, ele foi trabalhar numa segunda-feira e encontrou a empresa “arianizada” (com um novo dono pertencente ao partido nazista), e um cartaz na porta dizendo que os empregados judeus (quase a totalidade) estavam demitidos e que nem poderiam entrar na loja para pegar seus pertences que estivessem lá.
Em entrevista exclusiva, que me concedeu em 2011, já aos 97 anos de idade, ele confessou que passou a odiar os donos da empresa ao saber que eles haviam recebido dinheiro pela “arianização”, pego seus depósitos financeiros e joias e embarcado no sábado em navio para fora da Alemanha, deixando os empregados desamparados.
A seguir, sua família entendeu claramente que a situação ia piorar e juntou tudo o que tinha, vendeu suas últimas joias e conseguiu arrecadar dinheiro para comprar apenas uma passagem de navio para o Brasil, que Werner guardou pela vida inteira e me mostrou. Era uma passagem de primeira-classe e eu estranhei. Ele me disse algo que está fora dos livros sobre o Holocausto: em 1936, quando ele veio para o Brasil, os judeus eram obrigados a comprar passagens de primeira-classe de ida-e-volta, sendo pesadamente onerados no processo de fuga do país. E da morte certa.
Ao chegar ao Rio de Janeiro, Nehab passou a estudar a língua portuguesa e, em 1938, já tinha publicado a primeira carta nos jornais, denunciando o antissemitismo na Alemanha. Pouco tempo depois, toda sua família acabaria exterminada.
Meu amigo Werner, companheiro e incentivador na minha necessidade de lutar contra o antissemitismo, está agora na Corrente Eterna da Vida. Saberemos lá se sua missão divina, pelo entendimento judaico da vida e morte, foi completada. Se não foi, vamos nos encontrar novamente. Descanse em muita paz, meu velho amigo.
por José Roitberg - jornalista e pesquisador
Postar um comentário